publicidade

Esportes

Seis meses depois de autorizada a obra, dinheiro da arquibancada ainda não foi liberado

no dia 03 de agosto de 2019 às 09:07
- Máquina da Prefeitura derruba paredes dos antigos vestiários (foto: Nilberto)

A Prefeitura iniciou ontem mais uma fase da demolição dos antigos vestiários e sala vip do estádio Gilberto Siqueira Lopes. Anteriormente, já havia retirado o madeiramento e as telhas. O secretário municipal de Esportes, Luiz Henrique Ramos, acredita que até o final da próxima semana o serviço, que consiste na derrubada das paredes, remoção do entulho e o aterramento com terra vermelha, estará concluído.

A Secretaria Municipal de Obras precisa deixar a área limpa para que a empresa inicie a construção da arquibancada, o que ainda está cercado de incertezas, porque passados seis meses da emissão da autorização pela Caixa, o dinheiro para o pagamento da primeira medição ainda não havia caído na conta. Segundo o contrato, a primeira medição corresponderá a cerca de R$ 300 mil.

Para a empresa ir se movimentando, a Prefeitura depositou a sua parte no convênio com o governo federal, a chamada contrapartida, no valor de R$ 80 mil.

A Ohana Engenharia, empesa de São Paulo, venceu a licitação por R$ 2.216.119,90, com prazo de conclusão, previsto no contrato, de 10 meses.

A arquibancada, composta por elementos pré-fabricados em concreto armado e protendido, ocupara uma área de 1.827,12 metros quadrados e terá capacidade para 2.668 torcedores. Essa estrutura é feita fora do canteiro de obras, daí o fato de ainda não haver movimentação no estádio.

Somados aos 7.348 lugares disponíveis hoje, de acordo com o AVCB do Corpo de Bombeiros, a capacidade total do estádio chegará a 10.016. A Federação Paulista exige capacidade acima de 10 mil para jogos da A-1 e acima de 8 mil na A-2. Na Série A-3, que o Linense disputará em 2019, a exigência é capacidade acima de 6 mil lugares.

© Copyright 2019 - Jornal Debate