publicidade

Polícia

Lins lidera em furtos entre Tupã, Jáu e Penápolis

no dia 10 de outubro de 2019 às 15:49
Atualizada em 10 de outubro de 2019 às 15:54
- Batalhão da PM de Lins (foto: Emerson Secco/Arquivo)

Como o Debate destacou na edição de terça-feira, os furtos continuam sendo o principal problema para a Polícia de Lins. Depois de uma arrefecida em julho (96 casos), voltou a subir em agosto chegando à marca de 117 registros. Os piores meses do ano foram maio (175) e março (164).

Segundo os dados da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP), o total acumulado em 2019 chega a 1.096 registros, ante 910 de 2018 – crescimento de 20,4%. Considerando as duas modalidades, os furtos gerais totalizaram 1.017 este ano, ante 834 do ano passado, 21,9% a mais. Já os furtos de veículos somaram 79 este ano e 76 em 2018, 3,9%.

Estes números superam as outras três cidades que o Debate utiliza como referência quando divulga os dados mensais da SSP. Seria natural que Lins tivesse mais furtos que Tupã e Penápolis, cidades cuja população é menor. Porém, a diferença é tão gritante que a questão populacional acaba ficando em segundo plano. Tupã, por exemplo, computou 354 furtos em 2019, enquanto Penápolis chegou à marca de 405. Ou seja, a soma das duas cidades nem chega perto à totalização de Lins.

Também chama a atenção a comparação com Jaú, a maior das quatro cidades. São 815 furtos contabilizados pela SSP no período de janeiro a agosto, resultado 25,6% inferior ao de Lins.

A incidência de roubos caiu 11 para sete em agosto – são três meses sem nenhum roubo de veículos. No acumulado, os roubos gerais recuaram em 2019 de 73 para 63 (13,7%) e os de veículos de seis para dois (66,7%). Lins totaliza 64 roubos no ano, ante nove de Tupã, 37 de Penápolis e 74 de Jaú.

Um item positivo em que Lins supera as demais cidades é o de veículos recuperados, são 86 no ano ante 17, 49 e 13 de Tupã, Jaú e Penápolis, respectivamente.

O número de inquéritos instaurados em Lins também é maior que nas outras três cidades: 768, ante 495, 740 e 501.

© Copyright 2019 - Jornal Debate